28 de setembro de 2012

Pablo Neruda


...Fui como um ferido pelas ruas até que compreendi que havia encontrado amor, meu território de beijos e vulcões.

Não sabia o que dizer, a minha boca não sabia nomear,
meus olhos eram cegos, algo me golpeava a alma, febre ou asas perdidas, fui me fazendo só, decifrando aquela queimadura, e escrevi a primeira linha vaga
(...)
E eu, um mínimo ser, ébrio do vazio enorme constelado,
à semelhança, à imagem do mistério,
senti-me parte pura desse abismo, girei as estrelas,
meu coração se desatou no vento.

Te amo, beijo em tua boca a alegria.
Tragamos lenha. Faremos fogo na montanha.

da não estou preparado pra crescer
e aceitar que é natural,
para reconhecer que tudo
tem um princípio e tem um final.

Ainda não estou preparado para não poder te olhar
ou não poder te falar.
Não estou preparado para que não me abraces
e para não poder te abraçar...

Já és minha. Repousa com teu sonho em meu sonho...
... enquanto eu sigo a água que levas e me leva:
a noite, o mundo, o vento enovelam seu destino,
e já não sou sem ti apenas teu sonho.

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora, mas a amada já...
Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Chegastes à minha vida com o que trazias,
feita de luz e pão e sombra, eu te esperava,
e é assim que preciso de ti, assim que te amo,
e os que amanhã quiserem ouvir
o que não lhes direi, que o leiam aqui...
Amanhã dar-lhes-emos apenas
uma folha da árvore do nosso amor, uma folha
que há-de cair sobre a terra
como se a tivessem produzido os nosso lábios,
como um beijo caído das nossas alturas invencíveis
para mostrar o fogo e a ternura de um amor verdadeiro.


...nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Eu amo o que não tenho. E tu estás tão distante...

E desde então, sou porque tu és
E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...


Pablo Neruda

Maïa Vidal

Happy Day!


26 de setembro de 2012

Querendo potinho novos para cozinha? Faça você mesma!




Ainda na linha da tinta lousa, achei bem bacana essa ideia de dar uma cara nova aos potes de vidro. As imagens a seguir explicam como fazer:


As imagens deste post são do site http://www.cremedelacraft.com/

19 de setembro de 2012

Jeitinho Carioca 2!



Qualquer semelhança não é mera coincidência!

Mimos para minhas clientes!


Meus moldes chegaram!  

Estiloso e atemporal



Joana Mendes, uma das sócias do atelier de decoração Lá na Ladeira, e mãe de Vicente, de 2 anos, sabia exatamente o que buscava quando saiu à cata de um apartamento para alugar. "Eu queria morar na Gávea e sonhava com um imóvel antigo, porque acho mais charmoso. Adoro esquadrias e venezianas de madeira, piso de tacos e pé-direito bem alto", conta. Andando um dia pela região, soube de um imóvel para alugar em um predinho dos anos 50, sem elevador, com apenas três andares. Foi paixão à primeira vista. "A base era ótima, só faltava o meu arsenal de cores e estampas", diz. Além dos móveis garimpados e renovados pelo atelier, ela fez questão de tingir o seu quarto com tons fortes e forrar a parede do microescritório com um tecido bem florido. "Quando abro a porta, me sinto imediatamente em casa. Esse lugar sem dúvida é a minha cara", garante.

Uma cortina de algodão separa a sala de varanda. Ali, Joana instalou seu pequeno escritório. O destaque, é claro, é da parede forrada com tecido florido


Foto: MCA Estúdio


Foto: MCA Estúdio
Canto de refeições
Quando encontrou em um leilão de móveis amesa com pés palito e as quatro cadeiras de peroba-do-campo, em ótimo estado, Joana não pensou duas vezes. Arrematou o conjunto e investiu em torná-lo mais personalizado. "Coloquei tecido da Bebel Franco/Lá na Ladeira nos assentos, tingi o tampo de azul e fiz um lustre com cúpula de flores. O espelho foi montado com uma antiga moldura, que incrementei colando pedaços de papel de parede nas laterais", revela ela.


Tudo que é bonito é para se mostrar! A mesa com tampo de laca azul dispensa o uso de toalhas



Fonte: http://revistadecorarmaispormenos.uol.com.br/ESDM/espaco-conforto/23/artigo266216-3.asp

18 de setembro de 2012

Novidades na Lojinha!


Gostou? Quer ver mais? Acessa aqui:

Invasão de pinguins

Mulheres apaixonadas: Elas correm riscos que os homens não correm

O final do filme se aproxima. A mocinha, meio cega de emoção e lágrimas, acelera o carro para salvar o homem que ama. Enquanto ela voa em zig-zag pelas ruas, fura faróis e ameaça pedestres, me ocorre no escuro do cinema uma frase pronta: ela guia como uma mulher apaixonada. Além de ser uma descrição justa da cena, talvez haja nessa ideia uma verdade mais geral - mulheres apaixonadas, não só nos filmes, fazem coisas perigosamente impensadas.
Conheci uma mulher que rompeu um casamento na França e foi viver em Nova York com um cara que ela só conhecia pela internet. Conheci uma moça grávida que se apaixonou por um moço mais jovem e trocou de marido no meio da gravidez. Conheci uma mulher recém-casada que inventava viagens de trabalho para passar uns dias com uma paixão inacabada. São muitas histórias e elas todas se parecem num ponto: mulheres apaixonadas correm riscos e fazem coisas que os homens, boa parte das vezes, não têm coragem ou disposição de fazer.
Claro, há homens românticos que saltam para a vida sem para-quedas, mas a mim parece que as mulheres são a maioria nesse pelotão, e vão mais fundo. Enquanto o homem, cautelosamente, tenta manter o pé em duas vidas e pondera sentimentos e reações alheios, as mulheres se atiram. Para fora de casa, para a rodoviária, para o desconhecido. Avançam em direção à miragem que paira na outra ponta da corda, muitos metros acima do abismo. Querem a felicidade.
As heroínas de filmes e romances sempre dão lições de coragem aos homens. Alguém se lembra de “Pecados íntimos”, com Kate Winslet? Na última cena do filme ela espera pelo amante com quem vai fugir e deixar tudo para trás. Ele não aparece. É mais ou menos o desfecho enfrentado no século XIX por Emma Bovary, a adúltera do romance de Gustave Flaubert. Outro dia revi o filme “1984”, baseado em um dos meus romances favoritos, escrito por George Orwell. La está Julia, a jovem que se rebela contra o totalitarismo por meio do sexo e do amor, e arrasta seu amante com ela. Todas essas personagens são almas mais livres que seus parceiros – e se inspiram em comportamentos femininos reais.
De onde vem esse romantismo terminal das mulheres? Eu não sei, mas ele está lá, desde que elas são meninas. Talvez seja apenas um traço cultural – quando todas as formas de realização públicas eram proibidas, o amor, a busca da felicidade íntima, era o que restava. Mas o mundo (ao menos a nossa parte do mundo), não é mais assim. As mulheres podem se dedicar ao trabalho, ao poder, ao dinheiro. Não precisam mais casar ou ser mães. Podem viver sozinhas se assim quiserem, voltadas 100% ao aprimoramento do espírito ou dos glúteos. Mesmo assim, o romantismo não desaparece. A necessidade de amar e ser amada (intensamente) continua. Aos 20, aos 30, aos 40, aos 50, aos 60 anos...
Um evolucionista poderia dizer que nos genes femininos está escrita a urgência de encontrar o parceiro perfeito para a procriação, por isso as mulheres conferem prioridade absoluta ao amor e seu termômetro mais evidente, à paixão. Mas isso não explica as mulheres que trocam procriadores competentes e responsáveis por outros homens (frequentemente sem essas qualidades), que pareçam mais interessados nelas. A sobrevivência da espécie não requer isso, mas a sanidade das mulheres talvez exija.
Minha impressão é que todos precisamos de ilusões.
As ilusões dos homens parecem estar ligadas ao sexo. Se formos capazes de seduzir, de conquistar, de transar, então estaremos satisfeitos. Claro, há um universo de sentimentos que não estarão atendidos, mas o impulso masculino parece ser na direção de resolver a vida pelo desejo, realizar-se pela satisfação constante no sexo. Não acontece, mas a quimera nos move adiante. Com as mulheres a ilusão é afetiva. O grande amor, o grande romance, a paixão redentora. A vida parece se resumir a isso. Assim como a sedução permanente dos homens, a fantasia romanesca das mulheres raramente se materializa – mas isso não a torna menos universal ou importante.
Qualquer que seja a origem do arrebatamento feminino, os homens não sabem lidar com ele. As emoções exacerbadas das mulheres nos assustam e, secretamente, nos envergonham. Temos inveja dessa intensidade de sentimentos. As piadas constantes que fazemos sobre “a loucura” das mulheres revelam algo do nosso constrangimento. Nós, que vira e mexe nem sabemos o que estamos sentindo, somos forçados a lidar com gente apaixonada que nos olha nos olhos e exige respostas.
Claro, há mulheres realmente perdidas, malucas, criaturas incapazes de diferenciar os seus desejos da realidade. Todo homem adulto já topou com uma dessas. Ama e não percebe que não é amada. Quer e não percebe que não é querida. Às vezes, não aceita que acabou aquilo que mal havia começado, e faz cena – em vez de fazer as unhas e partir para outra.
Mas o comportamento das mulheres transtornadas não justifica a cautela masculina. O sujeito que se atira ao sexo e não encontra sentimentos encena um clichê triste. Ele tem algo a aprender com a capacidade das mulheres de se entregar e correr riscos. Não precisa pegar um carro de madrugada e sair voando para provar que ama – mas não deveria deixar sua heroína esperando sozinha, na chuva, por um amante que não tem certeza do que sente e não consegue decidir o que quer. 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...